Paula Hawkins

by - domingo, junho 25, 2017


Bom dia gente!!

A Garota do Trem foi um sucesso imediato no mundo da literatura. O livro foi traduzido para 40 línguas e está presente em 50 países. Mas você sabia que a autora enviou o livro para as editoras, muito antes de ter terminado? Vem conhecer um pouco sobre Paula Hawkins, a autora de suspense que apareceu tomando os lugares mais altos nas listas de venda!

Paula Hawkins nasceu no Zimbábue, filha de um professor de economia ela e sua família voltaram para Londres em 1989, quando Paula já tinha 17 anos. Hawkins estudou em Oxford e se formou em Filosofia, Economia e Política, depois ela trabalhou no The Times como jornalista empresarial e em seguida como freelance em diversos jornais.

Mas foi só em 2009 que Paula se voltou à literatura. Sob o pseudônimo Ami Silver ela escreveu quatro comédias românticas que não fizeram lá muito sucesso. Segundo a autora, com o tempo ela percebeu que suas comédias tinham muitas mortes e que na realidade ela era muito melhor escrevendo tragédias do que cenas engraçadas.

Com esses quatro livros, não tão bem sucedidos, a autora estava ficando sem dinheiro. Com as dificuldades financeiras ela decidiu dar uma última chance à literatura, "A Garota no Trem". Paula aproveitou uma ideia que teve alguns anos antes, e sentou escrever. Mesmo antes de terminar a escrita do livro, sua agente já começou a mandar para várias editoras. A Garota No Trem àquela época não contava com o final e o principal ponto da história. Mas mesmo assim, Hawkins conseguiu uma chance na editora Riverhead. 

Em entrevista ao New York Times, a editora chefe da editora comentou que não tem o hábito de ler nem de publicar thrillers como o de Paula, mas que "A Garota no Trem " parecia perfeito para o catálogo. 

A publicação contava com uma tiragem de 40.000 , mas o sucesso instantâneo da obra já rendeu 10 reimpressões e atualmente já foram impressos mais de 500.000 livros.

Para conhecer melhor a autora, nada melhor do que ouvir um pouquinho do que a autora tem a dizer sobre a obra! Peguei alguns trechos de entrevistas que a autora concedeu nos últimos tempos e traduzi exclusivamente para vocês! Espero que gostem:

Como o livro (A Garota No Trem) surgiu na sua cabeça? 

Eu já fiz muitas viagens de trem, e eu sempre pensei o quanto seria interessante se eu realmente presenciasse alguma coisa diferente. Porque, a gente nunca presencia, eu nunca vi nada realmente interessante! Você olha para as casas, e na maioria do tempo você não vê ninguém. Você vê algumas coisas que podem trazer uma imagem, como por exemplo brinquedos no jardim que ficaram abandonados, e a partir daí você começa a pensar em alguma coisa.

Apesar desse ser seu primeiro thriller, você já escreveu outros quatro livros que podemos chamar de chiklit's sob o nome de Amy Silver. Porque essa mudança?

O primeiro livro da Ami Silver foi comissionado (quando o livro é encomendado pela editora), e eles não foram livros que vieram completamente de mim. Eles não são necessariamente o tipo de livro que eu leio, e apesar de me divertir durante a escrita, eu nunca me senti completamente confortável no gênero. E conforme eu escrevia os livros, eles foram ficando cada vez mais sombrios, tinha cada vez mais tragédia neles. Quando o quarto livro da Ami Silver foi publicado, ele não vendeu nada bem, e eu decidi. Bem, ou eu me esforço para fazer direito e escrever o que eu realmente quero escrever, ou eu desisto e procuro uma nova carreira. Senti como se fosse minha última chance de fazer ficção direito.

A Memória é claramente um assunto que te interessa. Conte um pouco mais sobre esse interesse.

Nós confiamos na nossa memória - como não confiaríamos? Elas nos proporcionam dar sentido ao mundo em que vivemos, nos informam quem somos e como nos relacionar com as pessoas. E mesmo assim, elas não são confiáveis. Todos nós esquecemos as coisas, normalmente memórias da infância, as vezes eventos mais recentes. Todos nós somos capazes de alterar nossas próprias histórias através de como as contamos.Na maioria dos casos, essas coisas que esquecemos são pequena, triviais. Mas eu quero perguntar: E se alguém não consegue se lembrar de algo crucial, alguma coisa fundamental para sua identidade, para a sua vida? O que pode acontecer com essa pessoa quando ela descobrir que o que ela pensou que era sólido e real foi construído sobre areia movediça?

Fontes utilizadas: 1, 2, 3

LEIA TAMBÉM EM NOSSO BLOG:

2 comentários