Entrevista - Marcela de Luca

by - domingo, julho 03, 2016


A entrevista de hoje é com a autora de Dois Lados de Um Coração, um romance incrível e extremamente delicado que nós já resenhamos aqui no blog. Mas a história do livro vocês já conhecem, vamos conhecer melhor essa autora com essa entrevista incrível:

Vivi – Primeiro, nos fale um pouco de você.
Sempre achei essa pergunta muito difícil. A gente sabe que no fundo se conhece bem, mas quando outra pessoa pede para colocar isso em palavras é complicado. Hahahaha! Eu me considero uma pessoa muito determinada. Minha mãe quote 1costumada falar que, quando eu quero uma coisa, eu consigo. Acho que isso é bom… Hahahaha! Eu também sou muito tímida, o que faz ser um grande desafio dar entrevistas e falar – principalmente ao vivo – sobre mim e meu livro.
Vivi – Quando que seu interesse pela literatura surgiu? Teve algum livro que foi como um gatilho?
Minha resposta pode soar estranha agora, mas eu nem sempre gostei de ler e de escrever. Detestava fazer isso por obrigação, na escola. Até que, um dia, minha professora de redação passou o livro Os Miseráveis, de Victor Hugo para estudar para uma prova e eu AMEI! Foi aí – e com muito incentivo dos meus pais – que entrei nesse universo de cabeça.
Vivi – Consegue escolher um gênero literário favorito?
Fácil! Romance romântico! Sou apaixonada por esse tipo de história! Mas isso não quer dizer que não leia outros gêneros.
Vivi – Sei que é uma pergunta bem clichê, mas você teve alguma inspiração para a criação de seus personagens? Eles são inspirados em pessoas reais? Tem algum personagem que se assemelha muito a você?
Não é clichê! E mesmo que algumas pessoas achem que sim, eu adoro falar que o Thomas Hunter foi inspirado no ator que fez o super-homem na série de TV, Smallville. Assisti quando era criança e, depois que acabou, assisti tudo de novo. E o super-homem era – ainda é – meu super-herói favorito. Acabei querendo transformar o ator em um personagem. Hahahaha! No começo, além do nome igual – o ator se chama Thomas Welling –, meu Thomas era parecidíssimo com ele fisicamente também. Mas acabou que deixei ele com cabelos loiros e nada parecido com o super-homem! Hahahaha!
Quanto em se assemelhar comigo… Thomas de novo! Não em todas as características, mas por sempre querer aprender algo novo.
Vivi -Você consegue escolher sua personagem favorita no seu livro? Porque ela é a que mais gosta?
Posso falar Thomas de novo? Hahahaha! Ele é meu xodó. Mas acho que amo o Lorenzo. Quem leu o livro vai saber o motivo. Ele é uma pessoa fácil de gostar e que tem um carisma e uma positividade que conquista todo mundo.
Vivi – Tem algum personagem, de qualquer livro, com quem você se identifica muito?
Sim! Me identifico com Elizabeth Gilbert, de Comer, Rezar e Amar. Apesar de ela ser uma pessoa real, e não uma personagem, só me identifico com ela porque ela escolheu todos os lugares que tenho vontade de visitar um dia, principalmente Itália e Indonésia.
Vivi – Sei que é uma pergunta muito difícil, mas preciso faze-la, qual seu livro, ou livros, favoritos?
Meu livro favorito é Quero Ser Beth Levitt, da Samanta Holtz. Se você gosta de um bom romance, leia! Hahahaha!
Vivi – Enquanto você escrevia, você mostrou seus progressos para alguém? Pediu opinião e concelhos? Ou só mostrou aos olhos do público depois que considerou pronto?
Sim! A Priscila – que está nos agradecimentos do livro – me ajudou DEMAIS! Ela sempre estava lendo e dando opiniões. Assim como a Giovana, que surtava todas as vezes que eu mostrava algo do livro. Acho importante ter a opinião de alguém antes de publicar.
Vivi – Em relação a escrita do livro, você é perfeccionista? Como soube que estava pronto, que não tinha mais nenhum detalhe a ajeitar?
Sou sim! Eu sempre estava achando um errinho ou outro, por mais bobo que fosse, como um ponto final faltando. Na verdade, eu acho que sempre posso melhorar, mas, só depois de ler pela 1783783178136 vez, eu soube que estava pronto. Hahahahaha!
Vivi – Escrever sempre foi algo importante para você? Ou só surgiu depois que estava com a ideia do livro na cabeça?
Uma professora disse que Saramago falou uma vez que ele era um escritor diferente, ou seja, só escrevia quando tinha ideias. Acho que sou igual. Estudando e trabalhando, não é sobra muito tempo para ler ou escrever, por isso, quando tenho uma ideia ou outra, eu sento em frente ao computador e escrevo nem que seja apenas uma linha.
Vivi – Na escrita do livro a ideia surgiu pronta e você logo a escreveu ou foi um processo de criação longo onde com o tempo a história foi tomando forma?
Foi um processo de criação bem longo. Eu só tinha uma cabana na Itália e dois personagens formados em minha cabeça, quando comecei. Não foi ruim, muito pelo contrário, foi maravilhoso ver as ideias surgindo.
Vivi – Tem algum livro que você leu e pensou “Nossa gostaria de ter escrito isso”?
Acho que não, pelo menos, não até o momento. Confesso que algumas ideias de livros que gosto são fantásticas, mas nunca parei e pensei: “Isso é minha cara! Eu deveria ter escrito essa história!”
Vivi – Bate e volta, essas são perguntinhas só de curiosidades, para conhecermos um pouquinho mais de você. Qual o livro que você leu que todo mundo gosta, mas você não suporta?
Não gostei de Cidades de Papel, do John Green. Não me julguem, mas esse livro simplesmente foi comprado no impulso de “adorei A Culpa é das Estrelas, quero todos os livros dele!”. Quem sabe se eu ler de novo mais para frente eu goste.
Qual escritor que você nunca leria?
Essa é uma pergunta difícil. Não acho que tenha algum que eu nunca leria. Talvez um que tenha escrito um livro que não me chame a atenção.
Tem alguma personagem que você gostaria de não ter conhecido?
Acho que não. Gostei de conhecer todas! Cada uma, por pior que fosse, teve um papel importante em suas histórias.
Qual a personagem que você ama de paixão?
Amo o Patch, da série Hush Hush. Foi amor à primeira vista. Parece coisa de adolescente, mas o que posso fazer? Hahahaha!
Que livro que te fez chorar muito?
O Caçador de Pipas. Quem leu sabe o que quero dizer quando digo que chorei MUITO com esse livro.
Qual o melhor cenário para ler?
Na cama ou na grama, sob uma sombrinha bem gostosa.
Lugar favorito?
Meu quarto.
Viagem dos sonhos? 
Bali, na Indonésia.
Por hoje é isso corujinhas! Gostaram de conhecer a Marcela? Alguma resposta te deixou surpreso? Deixa seu comentário para gente saber!

LEIA TAMBÉM EM NOSSO BLOG:

0 comentários