Nildrien: O Pergaminho - Manoel Batista


Bom dia Gente!
O post de hoje é a resenha de Nildrien, uma fantasia medieval cheia de mistérios e aventura. Nildrien é um país com diversos reinos, a maioria dele vive em paz. Porém quando um grande poder desperta na Caverna Antiga, o reino as trevas, Asenhar invade Nalim, um reino aliado do reino da Luz, para tomar esse poder para si.

Sobre o Livro:


  • Autor: Manoel Batista
  • Editora: Novo Século - Talentos da Literatura Brasileira
  • Numero de Páginas: 586
  • Lançamento: 2015
  • Skoob.
  • Onde Comprar: Amazon

Nildrien - O Pergaminho nos apresenta diversos personagens, cada um deles com histórias de vida e diferentes motivações, mas todos eles (quase vinte personagens) compartilham do mesmo destino. Um grande poder acordou na Caverna Antiga e Nalim envia um grupo de iniciantes para cumprir a perigosa missão de ir até a fonte desse poder e encontrar O Pergaminha, artefato que deve ser responsável pelo poder.

Mas ao mesmo tempo que o grupo de Nalim inicia sua jornada Asenhar, o reino das trevas, já possui um grupo de pessoas em busca do mesmo pergaminho. Os dois grupos embarcam nessa jornada perigosa que promete um confronto desafiador. Não vou falar aqui sobre todos os personagens porque realmente são muitos, mas posso dizer que fiquei muito impressionada com a capacidade do autor de nos apresentar todos esses personagens sem deixar que cada um fosse único. Meio-elfo, meio-dragão, meio-demônio, humanos, clérigos e feiticeiros se unem para defender o nome de seus reinos. Eles enfrentam muitos perigos e é muito interessante acompanhar como a relação dos personagens evoluindo, eles crescem durante a narrativa e até mesmo o conceito de bom e mal é questionado.

Não gosto muito de cenas de luta e as de Nildrien são extremamente descritas, tenho certeza que para muita gente isso deve agradar demais, mas senti que tantas batalhas acabaram desviando o foco no enredo central, a busca pelo pergaminho. Tirando isso, eu gostei muito da forma que a história foi construída e se desenvolveu, com seus personagens Manoel Batista nos faz questionar um pouco o que é o mal, ele é imutável? Ou tudo depende de um ponto de vista? Essa foi a questão que mais me impressionou na narrativa e com certeza fiquei curiosa para saber como o autor vai trabalhar com isso nos próximos livros.

O desfecho da história não fugiu muito do que eu esperava, mas não deixou de ser emocionante e me deixou curiosa para saber como as coisas vão seguir no próximo volume. Recomendo para quem gosta de fantasia com essa pegada de RPG, é um livro bem escrito e bem desenvolvido, estou esperando ansiosa para conhecer mais sobre Nildrien.

0 comentários: