Aos Perdidos, Com Amor - Bridig Kemmerer

by - domingo, dezembro 10, 2017



Quando eu vi a capa desse livro, já o desejei imediatamente. Aí, eu li meio por cima a sinopse, cartas trocadas entre estranhos... pronto. Já estava desesperada para ler! Comprei o ebook e devorei o livro em um dia só. Não tem como largar, desde o primeiro capítulo o livro fisga a gente e meu deus, estou apaixonada por Juliet e Declan.





Sobre o Livro:

Autora:
Brigid Kemmerer
Número de Páginas: 182
Lançamento: 2017
Skoob.
Adquira o livro!


"Dá pra ver no rosto da menina. A realidade sendo despedaçada. E ela sabe disso. A mãe dela morreu, e ela sabe disso. Essa foto tem sofrimento. Toda vez que eu a vejo eu penso, 'Você sabe exatamente como essa menina se sente"

Juliet tem 17 anos e perdeu a mãe em um acidente de carro. Sua vida é um caos, ela sente como se o luto fosse parte dela mas ninguém mais tem paciência para isso. A única forma que encontra para se manter em contato com a mãe é a escrita de cartas. Pelo menos duas vezes por semana, Juliet vai até o cemitério, senta ao lado do túmulo da sua mãe, e escrever cartas para ela. As deixa sobre o túmulo e vai embora, se sentindo de alguma forma mais aliviada e próxima da mãe.

Mas um dia. Alguém acha uma dessas cartas, e responde. Declan também tem 17 anos e é um grande problema. Trabalha no cemitério para cumprir com a decisão da juíza e, depois de perder a irmã graças a irresponsabilidade do pai, Declan perde o controle. Quanto mais as pessoas o enxergam como ameaçador, dizem que ele é igual ao pai dele, o temem, mas ele incorpora esses pensamentos e aceita. Se querem vê-lo como o grande monstro, ele não vai dizer o contrário. Destratado por seu padastro e praticamente ignorado pela mãe, Declan se encanta com a carta que encontra um dia no cemitério. 


"Você não acha engraçado que se diga 'perder', como se as pessoas tivessem simplesmente se extraviado? Mas talvez seja um sentido diferente de 'perder', em que não se sabe onde eles foram parar."

Talvez, alguém entenda a dor que ele está sentindo. Os dois começam a se comunicar através das cartes e depois por email, quanto mais conversam, mais parecem se entender. O luto os une, faz com que eles não se sintam sozinhos. Mas apesar de não fazerem ideia dos nomes um do outro, Juliet e Declan não são completos desconhecidos. Eles estudam na mesma escola.

A vida real, que eles tanto tentam fugir, acaba criando mais uma versão deles. Existe a Juliet da escola, e a Juliet das cartas. O Declan, rebelde e criminoso e o Declan perdido e ferido. O que eu mais amei nesse livro é como a interação deles os liberta. Assim como aquela sensação de confidência que tive em "As Vantagens de Ser Ivisível" com Charlie, nós conseguimos viver essa dualidade que existe na vida da Juliet e do Declan. 



As cartas são super bem escritas e extremamente cativantes. Os personagens são complexos e principalmente Declan, porque quando aceitamos o que as pessoas acham de nós como uma verdade, fica bem difícil se reencontrar. Apesar de ser um romance, não acredito que o foco seja bem esse. Aos Perdidos, Com amor fala de luto, de família e também da forma que nós reagimos as coisas. De como não precisamos ser fortes, mesmo quando isso é o esperado de nós, e também quando precisamos. 

Eu estou completamente apaixonada pela escrita da autora. Como pudemos perceber, juntei vários quotes para vocês porque são tantos momentos importantes que esse livro trás. Provavelmente vou ler de novo a história desse casal. Não conhecia a autora, mas não tenho nada a reclamar, recomento esse livro pra todo mundo! Mesmo sendo um infanto-juvenil curtinho, vale cada minuto. 


"Um dia não é a sua vida inteira. É só um dia."

LEIA TAMBÉM EM NOSSO BLOG:

0 comentários