Becky Chambers

by - quarta-feira, outubro 23, 2019


Bom dia gente!

Vamos conversar sobre Becky Chambers? Uma autora que começou no KickStarter, uma plataforma de financiamento coletivo, e agora é um dos nomes mais premiados de Ficção Científica da atualidade! Autora de "A Longa Viagem À um Pequeno Planeta Hostil" e de "A Vida Compartilhada em uma Admirável Órbita Fechada" é uma daquelas que eu leria qualquer coisa que tenha seu nome.


Resultado de imagem para becky chambers

Becky nasceu em 1985 no sul da Califórnia mas depois cresceu em Los Angeles. Sua família é muito envolvida em ciência astronáutica, e ela começou a escrever quando pequena fanfics do Anime Sailor Moon. Estudou teatro na Universidade de São Francisco e depois disso passou a trabalhar na administração de companhias de teatro e escrever como freelance.
Mas em 2012 Becky começa a escrever seu primeiro livro da série Wayfares, Uma Longa Viagem a um Pequeno Planeta Hostil, e quando perde o trabalho, decide apostar na sua história e com um financiamento coletivo no Kickstarter.

Nesse momento, sem mais dinheiro, ela recebe uma proposta para republicar seu primeiro livro e também publicar o segundo em uma editora, a Hodder & Stoughton.

Depois da publicação dos livros pela nova editora, Becky foi indicada a vários prêmios de literatura e ganhou esse ano o prêmio Hugo Award de melhor série. Atualmente, ela mora com sua esposa, que ela conheceu em uma convenção de Star Trek,  na Califórnia.

Separei algumas perguntas interessantes de entrevistas da autora para conhecermos mais seu trabalho!

Muitos dos personagens do livro parecem muito familiares, uma mãe cansada tentando colocar as crianças pra dormir, adolescentes sendo pegos usando identidades falsas. Levando em conta que você não mora no espaço, os personagens são baseados em pessoas reais? Ou em experiências reais?

Eu gosto de comparar escrever um livro à fazer a janta com todas as sobras disponíveis que você tem na geladeira. Ideias vem de qualquer lugar e de todos os lugares, e isso também vale para os personagens. Tudo desde meus melhores amigos, até coisas que eu ouvi na rua. Isso me ajuda a sair um pouco da minha pequena bolha, especialmente quando se trata de escrever personagens que não são como eu. Eu não tenho filhos, por exemplo, e eu nunca fui pega usando uma identidade falsa. Mas, existem pessoas na minha vida que passaram por isso. 

Como tudo começou?

Eu comecei a escrever "Uma Longa Jornada a Um Pequeno Planeta Hostil em 2012. E eu também estava trabalhando como freelance na época. Mas o trabalhos que eu contava todo mês sumiram e eu tive que tomar uma decisão entre desistir do livro, para me dedicar ao trabalho, ou continuar trabalhando na história e terminar o livro. Eu não queria parar de trabalhar no livro, então eu comecei uma campanha no Kickstarter para me manter durante alguns meses, só até eu terminar, revisar e mandar para editoras. 


No fim, tinham várias pessoas que não queriam que eu desistisse, e eu consegui juntar dinheiro suficiente para continuar. Eu consegui um agente e comecei a enviar para as editoras. 

Porém, logo meu agente arrumou um outro emprego e eu voltei à estaca zero, então eu decidi publicar de forma independente em 2014. Alguns meses depois, eu recebi uma ligação de uma pessoa que tinha conhecido na WorldCon em Londres, que era editor da Hodder & Stoughton, e eles disseram que queriam me publicar. 


Uma coisa que notei enquanto estava livro Uma Longa Jornada, é que é um livro bem episódico, isso foi intencional? 

A escrita do livro durou alguns anos, e o que eu realmente tinha eram uma série de diferentes aventuras que incluíam os mesmos personagens. Eu demorei um pouco para notar que estava escrevendo uma viagem completa, mas depois continuei com a ideia. 


Qual o melhor elogio que você já recebeu? 

Uma pessoa conversou comigo e me disse que leu Uma Longa Jornada bem depois que seu pai tinha falecido. Disse que isso o ajudou a escapar, de tirar sua atenção das coisas, e que isso realmente o ajudou. Isso me tocou realmente, e continua me emocionando. 

E o pior insulto? 

Um cara me mandou essa longa mensagem me dizendo o quanto ele tinha odiado o livro. Ele disse que ia construir uma máquina do tempo, voltar no tempo e me impedir de escrever. Tipo, tudo bem, podem criticar o livro... mas não precisa ameaçar matar os avós de alguém no passado.

LEIA TAMBÉM EM NOSSO BLOG:

2 comentários

  1. Oii!!


    Tudo bem?

    Então, gostei muito de conhecer um pouco da autora, confesso que não conhecia suas obras. Ela conseguiu um reconhecimento maravilhoso ao ganhar o prêmio e desejo mais e mais sucesso. Não sei se no momento leria suas obras, mas a sua história em se arriscar de sobreviver do mundo literário é encantadora.

    Abraços!

    https://pensaliterario.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Olá, tudo bom?
    É sempre maravilhoso conhecer um pouco mais das pessoas que existem por trás de livros incríveis assim! Nunca li nada dessa autora, mas adorei conhecer um pouco mais sobre ela e fiquei curiosa para conhecer seus livros. Esse cara que fez o pior comentário é um babaca né? Tudo bem ele não gostar, mas existem pessoas que amam o livro, então cabe a ele aceitar que só não funcionou para ele e seguir a vida né? rs
    Adorei o post!
    Beijos!!

    ResponderExcluir